Está procurando alguma editora ou artista em específico? Digita o nome na caixa de busca!

R$35,00

Descrição

O lugar dos dissidentes (João Matias)

Editora: Escaleras
Acabamento: capa cartonada com orelha
Cor do miolo: preto
Formato: 12,5 x 19 cm
Páginas: 72
Edição:
Ano: 2019
Idioma: Português
País de Origem: Brasil
Classificação: não disponível
Categorias: conto, literatura

Os minicontos de João Matias são cápsulas de prosa recheadas de lirismo e de um cuidado intenso com a linguagem. Os seus relatos operam como metonímias de histórias maiores, que sempre se fecham em sugestões infindáveis e que nos instiga a pensar: “o que vai acontecer depois disso que o autor me contou?”. Aqui, o ponto final é uma mera formalidade, pois os minicontos permanecem, insistem em existir e ecoar na mente do leitor.

“O Lugar dos Dissidentes” é o mínimo enquanto potência máxima, é Trevisan e Carver com seus olhares afiados para o comum, os detalhes que insistimos em não ver, mas que estão lá, aprisionados no tédio da vida, na banalidade do cotidiano, no olhar cansado de um dia cheio. João, assim como esses dois autores, carrega consigo essa visão de maresia, que atordoa e encanta ao mesmo tempo.

Penso que o finado Robert Altman adoraria ler este livro e adaptar para o cinema um ou outro desses brevíssimos relatos – teasers que nunca serão transformados em longa-metragens – tão cheios de humanidade, comédia, tragédia e alucinações. Pois, este lugar que o autor criou para nós, leitores, é basicamente um recorte do que somos. Entre os casamentos falidos, amores perdidos, desastres, reflexões literárias, amores e memórias, e outros planos detalhes da vida narrados aqui, nos deparamos com o impacto da simplicidade que, paradoxalmente, acaba sendo a forma mais complexa de se fazer boa literatura.

Bruno Ribeiro

Trecho do conto Manhas:

Mal espera três toques na porta de madeira quando ele abre o tiro e acerta o peito. As crianças, lá em cima, mal desconfiadas da mãe pondo o corpo gordo no sofá, dormem tranquilas. Ela separa os braços, depois as pernas, deixa-o sentado e preguiçoso como sempre.

Na manhã seguinte, as crianças passam para o colégio e dão bom dia. O pai dormiu no sofá. Como todos os dias. A amiga bem previu: com a arma no silenciador as crianças nunca acordam.